A origem dos sete pecados capitais

Os sete pecados capitais foram estipulados pela igreja católica romana perto do século VI. São eles: inveja, soberba, ira, preguiça, gula, avareza e luxúria.

A origem dos sete pecados capitais

Apesar de serem quase tão antigos como o Cristianismo, a origem dos sete pecados capitais é um pouco imprecisa. Muitos estudiosos dizem que surgiu por volta do século VI, no contexto católico romano, quando o papa Gregório Magno, ao ler as cartas do apóstolo Paulo, definiu que sete pecados seriam o “carro chefe” dos outros pecados.

A relação feita pelo papa Gregório foi: inveja, soberba, ira, preguiça, gula, avareza e luxúria. Estes, portanto, seriam os principais pecados que desencadeavam todos os outros pecados.

Esta relação de pecados só foi “reconhecida e oficializada” na Igreja Católica por volta do século XIII, com a suma teológica, um documento publicado por Tomás de Aquino (teólogo católico). Todos esses sete pecados citados, são de fato pecados, entretanto, não temos referências bíblicas diretas a eles no propósito de serem “o carro chefe”, a “cabeça” de outros pecados.

Portanto, o conceito dos sete pecados capitais vem do catolicismo e não é algo usado pelos cristãos protestantes, evangélicos.

Saiba mais sobre os sete pecados capitais

Versículos que demonstram que os sete pecados capitais estão ligados à Bíblia:

  1. Soberba está ligada ao orgulho. A ideia de que o ser humano é o próprio Deus, tudo que se faz é mérito próprio, e o “eu” é o mais importante de tudo (Eclesiastes 10:15; Romanos 3:27; Gálatas 6:4; Mateus 18:3).

  2. Inveja está ligada à cobiça e várias categorias de inveja (bens materiais, emprego, estudos, família, amizades etc)
    (Gênesis 4:1-16; Mateus 10:42-43; Gênesis 37:4; 1 Samuel 18:6-16).

  3. Ira está ligada à emoção excessiva, paixão despertada por um sentimento de injustiça ou erro. Quando guardamos mágoa de alguma situação e não perdoamos como Jesus orienta. A ira também se torna um pecado quando quem está irado se recusa a acalmar, e acaba por guardar mágoa e rancor (Efésios 4:26-27; Mateus 5:22; Eclesiastes 7:9;).

  4. Avareza está ligada ao apego ao dinheiro. O dinheiro passa a ser tudo, foco principal, e assim torna-se um deus (Mateus 6:24; 1 Timóteo 6:10; Marcos 10:21-22; João 12:5-6).

  5. Luxúria está ligada ao apego aos prazeres, um desejo descontrolado por prazeres carnais (2 Pedro 2:13; Êxodo 20:17; Mateus 5:27; Gênesis 38:9-10).

  6. Gula ou glutonaria está ligada a comer excessivamente. Demonstra falta de domínio próprio (Filipenses 3:19; Isaías 5:11).

  7. Preguiça está ligada a falta de disposição ou vontade. Quando queremos descansar muito mais do que precisamos. Assim, corremos sério risco de deixarmos de fazer coisas mais importantes e sérias em função de Deus e do próximo (2 Tessalonicenses 3:11-12; Provérbios 24:30-31; 2 Timóteo 2:15; Mateus 20:6).