Quem foi Martinho Lutero?

Martinho Lutero foi um dos grandes líderes da Reforma Protestante. Suas críticas à Igreja Católica deram força a um movimento para voltar à verdade da Bíblia, que acabou por formar vária igrejas novas.

Martinho Lutero viveu entre 1483 e 1546, no Sacro Império Romano-Germânico (atual Alemanha). Ele era um jovem inteligente e teve a oportunidade de estudar Direito na universidade. Mas, por causa de uma promessa que ele fez em um momento de dificuldade, Lutero abandonou Direito e se tornou monge.

Naquela época, poucas pessoas tinham acesso à Bíblia e a única tradução disponível estava em latim. Martinho Lutero foi muito privilegiado, porque ele sabia ler latim e ainda aprendeu as línguas em que a Bíblia tinha sido escrita originalmente. Como monge, ele teve acesso à Bíblia e podia estudá-la livremente.

Martinho Lutero se tornou doutor de Teologia e um pregador muito popular. Ele explicava as Escrituras de maneira que o povo comum podia entender. Mas, ao mesmo tempo, ele começou a ver quanto a Igreja Católica da época tinha se desviado da verdade.

A vida de Lutero foi impactada por Romanos 1:17, que diz que “o justo viverá pela fé”. Lutero tinha feito muitas coisas (boas obras, orações, jejuns...) para receber o perdão dos seus pecados, mas nada disso lhe dava paz. Ele sabia que ainda era pecador. Mas, ao ler a Bíblia, ele entendeu que a salvação vem pela fé, não pelas obras! Essa verdade se tornou o centro de sua vida e do movimento que ele liderou...

Martinho Lutero e a Reforma Protestante

Martinho Lutero ficou muito desiludido com a Igreja Católica. Até mesmo entre a liderança mais alta havia muita corrupção e devassidão. O povo estava preso na superstição e não tinha acesso à verdade da Bíblia. Várias pessoas já tinham tentado reformar a igreja mas tinham sido ignoradas ou perseguidas.

Mas o que tornou Lutero conhecido foi sua revolta contra as indulgências. Muitos padres estava ensinando que era possível comprar o perdão dos pecados (uma indulgência) mediante pagamento de dinheiro à igreja! Esse “comércio” de indulgências levou Martinho Lutero a escrever as 95 Teses, abrindo um grande debate com a liderança da Igreja Católica.

Veja aqui: o que são as 95 Teses de Lutero?

Muitas pessoas ouviram Martinho Lutero e concordaram com ele. A Igreja Católica precisava ser reformada. Mas o Vaticano não ficou feliz com os ensinamentos de Lutero, que estavam ameaçando seu poder. Como ele se recusava a desmentir seu ensino, Martinho Lutero foi excomungado da Igreja Católica.

Agora Lutero e seus apoiantes estavam forçosamente separados de outros católicos. Por isso, formaram suas próprias igrejas, que ficaram conhecidas como protestantes. Muitos nobres não gostavam da interferência da Igreja Católica na sua política, então deram apoio a Martinho Lutero e aos protestantes. O movimento cresceu e se espalhou pelo norte da Europa.

Leia aqui mais sobre o que é a Reforma Protestante.

Além das 95 Teses, Martinho Lutero escreveu vários livros explicando melhor suas posições sobre a salvação e outros assuntos. Ele também compôs alguns hinos e traduziu a Bíblia para alemão, para que o povo comum tivesse acesso à verdade.

Martinho Lutero acabou por abandonar o celibato e casou com uma ex-freira, tendo vários filhos com ela. No fim da vida, suas frequentes viagens de ensino e pregação o deixaram muito doente e ele faleceu com 63 anos.

Veja também: o que é a Igreja Luterana?

Os ensinamentos de Martinho Lutero e a Bíblia

Os ensinamentos de Martinho Lutero revolucionaram a forma como se via a Bíblia. A Igreja Católica da época ensinava que somente os padres podiam ler e interpretar a Bíblia e que a palavra do Papa era a palavra de Deus. Martinho Lutero defendeu que a Bíblia é nossa única autoridade, ao qual todos deveriam ter acesso, e que os ensinamentos do Papa podiam estar errados.

A salvação pela fé foi um ponto muito importante que Martinho Lutero ensinou. É impossível pagar pelos pecados com boas obras! Somente a fé nos pode salvar, pela graça de Deus, e o sacrifício de Jesus na cruz já pagou por todos os pecados (Efésios 2:8-9).

No entanto, Martinho Lutero não era perfeito nem infalível. Seus ensinamentos não têm o mesmo valor que a Bíblia. Por exemplo, a atitude de Martinho Lutero contra os judeus era muito racista e não condizia com o amor de Deus que ele pregava. Como em tudo, os ensinamentos de Martinho Lutero devem ser analisadas e avaliadas à luz da Bíblia (1 Tessalonicenses 5:21).