O que são os evangelhos sinóticos? O que significa sinótico?

Os evangelhos sinóticos são três relatos da vida de Jesus, que estão na Bíblia. Esses são os três primeiros livros do Novo Testamento: Mateus, Marcos e Lucas. O evangelho de João não é considerado um evangelho sinótico porque é bastante diferente dos outros três.

“Sinótico” significa “a mesma visão”. Os três primeiros evangelhos são chamados de sinóticos porque têm muitos elementos em comum. Cada um dos evangelhos sinóticos apresenta a história de Jesus de maneira parecida. Os três têm mais ou menos a mesma estrutura e têm várias histórias repetidas.

Os evangelhos sinóticos contam os eventos e ensinamentos mais importantes da vida de Jesus. Eles mostram o que Jesus fez durante seu ministério e como ele salvou o mundo. Os três evangelhos sinóticos contam todos a mesma história mas de perspetivas um pouco diferentes, acrescentando ou deixando de fora algumas partes de acordo com o objetivo do texto.

Muitas vezes, a informação de um evangelho sinótico ajuda a entender a história contada no outro evangelho. Os três evangelhos sinóticos confirmam e completam a história de Jesus.

Descubra aqui mais sobre os quatro evangelhos.

Por que os evangelhos sinóticos são tão parecidos?

Os evangelhos sinóticos provavelmente são muito parecidos porque foram baseados nos testemunhos das mesmas pessoas que viveram com Jesus.

Mateus era um dos doze apóstolos. Ele foi testemunha ocular do ministério de Jesus. Marcos foi ajudante dos apóstolos Paulo e Pedro. Além de Pedro, ele provavelmente teve contato com outros apóstolos. Lucas, um amigo de Paulo, baseou seu evangelho em testemunhos oculares e provavelmente também conheceu alguns dos apóstolos (Lucas 1:1-4). Os três autores dos evangelhos sinóticos tinham acesso a várias pessoas que viveram com Jesus.

Alguns dos relatos nos evangelhos sinóticos foram testemunhados por poucas pessoas. Por exemplo, a transfiguração de Jesus foi vista apenas por Pedro, Tiago e João (Mateus 17:1-2). Como Tiago foi assassinado cedo na história da igreja, os três autores dos evangelhos provavelmente falaram com Pedro e João. Outras partes dos evangelhos provavelmente foram relatadas por Maria ou os irmãos de Jesus. Como eram pessoas muito conhecidas, cada um dos autores dos evangelhos facilmente poderia ouvir a mesma história da boca da mesma testemunha.

Além disso, os autores dos evangelhos sinóticos provavelmente se conheciam. Por exemplo, Lucas fala de Marcos em Atos dos Apóstolos 15:36-37. Eles podem ter “trocado notas” ou usado os relatos uns dos outros para confirmar suas informações. Mesmo assim, eles não se limitaram a copiar uns aos outros. Cada evangelho é coerente com os outros mas tem um estilo e um caráter distinto.

Veja também: podemos confiar na Bíblia?

Por que o evangelho de João não é sinótico?

O evangelho de João é bastante diferente dos outros três evangelhos. Parece que o autor, o apóstolo João, estava tentando preencher as lacunas, contando as histórias importantes que tinham ficado de fora dos outros evangelhos (João 20:30-31).

O foco principal do evangelho de João é a evidência que Jesus é Deus. Os ensinamentos e os milagres de Jesus apresentados nesse evangelho mostram o poder divino de Jesus e a importância de crer nele.

O evangelho de João é também muito pessoal, focando mais nas coisas que Jesus fazia e dizia em privado, entre seus amigos. João era um dos amigos mais próximos de Jesus durante seu ministério.

Todos os quatro evangelhos têm algumas histórias em comum:

  • O batismo de Jesus
  • A primeira multiplicação dos pães
  • A entrada triunfal em Jerusalém
  • A morte e ressurreição de Jesus

O evangelho de João não apresenta uma visão radicalmente diferente de Jesus. Apenas completa a informação dos outros três evangelhos. Assim, temos um retrato mais completo da vida de Jesus.