O que significa rá-tim-bum? É uma maldição?

Rá-tim-bum é uma expressão usada nas festas de aniversário para cantar parabéns. A palavra rá-tim-bum é exclusivamente brasileira e não tem nenhuma ligação com maldição nem feitiçaria. O cristão pode cantar rá-tim-bum na canção de parabéns se quiser, sem medo de lançar maldição.

Rá-tim-bum é uma onomatopeia, uma palavra que imita o som de alguma coisa. Nesse caso, rá-tim-bum imita o som de coisas festivas, como tambores e pratos. A palavra surgiu no Brasil por volta dos anos 1930 e não existe em nenhuma outra língua (nem é usada em outros países de língua portuguesa).

Ao contrário do que dizem alguns rumores sem fundamento, rá-tim-bum não tem nenhuma ligação com feitiçaria, a Pérsia nem o mundo medieval. Surgiu no Brasil, como parte da celebração de aniversário e é uma palavra moderna, tipicamente brasileira. Qualquer associação a maldição ou bruxaria é uma mentira, sem nenhuma base na verdade.

O programa infantil Castelo Rá-Tim-Bum envolve alguma magia mas o nome não tem nenhuma ligação com feitiçaria nem maldição. Castelo Rá-Tim-Bum foi um derivado de outro programa infantil anterior, chamado apenas Rá-Tim-Bum. Esse programa não tinha nenhuma ligação com magia e era muito educativo. O nome provavelmente vem do som bonito de rá-tim-bum e de sua associação com coisas festivas.

Veja também: assistir televisão é pecado?

Não dê atenção a controvérsias tolas

Todo cristão tem o direito de escolher se quer cantar rá-tim-bum ou não. A Bíblia não condena a palavra mas também não obriga a dizer. Cada um tem liberdade para fazer como acha melhor nesse caso, ms não deve condenar quem toma uma decisão diferente da sua (Romanos 14:12-13).

Rá-tim-bum não é nem nunca foi uma maldição. Isso é uma superstição sem base bíblica nem histórica. Por isso, o crente não precisa ter medo dessa palavra. Devemos ter a maturidade para analisar o que ouvimos e rejeitar mentiras bobas (1 Tessalonicenses 5:21).

Não é bom dar atenção a mitos sem fundamento. Essas coisas servem apenas para provocar medo e criar regras inúteis, sem fundamento bíblico (1 Timóteo 1:3-4; 1 Timóteo 6:3-5). Quando nos deixamos levar por esse tipo de coisas, isso desvia a atenção do verdadeiro evangelho. A tolice de tomar posições extremas sobre assuntos secundários traz vergonha e dificulta a pregação da verdade.