Qual era o papel e o simbolismo do rei na Bíblia?

Na Bíblia, um rei era um governante com a máxima autoridade sobre um povo. Deus é apresentado como o rei supremo sobre toda a criação, acima de toda autoridade. Todo rei e líder devia se submeter a Deus, porque toda autoridade vem dele. O Novo Testamento apresenta Jesus como o rei prometido para estabelecer o Reino de Deus.

Nos tempos da Bíblia, muitos povos eram organizados em monarquias. Cada povo tinha seu rei, que governava sobre todos e geralmente era também seu líder militar. Ele era o protetor e o administrador de seu povo. Havia vários tipos de rei:

  • Reis de cidades
  • Reis de países
  • Reis de povos nómadas
  • Reis que eram vassalos de outros reis mais poderosos
  • Imperadores (reis que conquistavam outros povos)

O título de rei era por norma herdado de pai para filho, com a prioridade dada ao filho mais velho. No entanto, muitas vezes acontecia que filhos lutavam entre si pelo trono ou o pai nomeava um filho favorito como seu herdeiro. Além disso, era bastante comum haver golpes de estado, em que um líder militar tomava o trono, acabando com a dinastia de seu antecessor. Um rei que perdia o favor de seus súbditos tinha muita chance de perder o trono.

Além do lado político e prático, a figura do rei tinha um valor simbólico na Bíblia. Ele era o representante de sua nação. Como rei, ele podia mostrar o lado bom ou o lado ruim de seu povo, e sua governação podia ser uma bênção ou uma maldição para seus súbditos. A atitude do rei revelava se o povo estava sendo guiado no caminho de Deus ou se estava se afastado dele.

Descubra aqui: quem foram os reis de Israel e Judá?

Deus, o rei supremo

A Bíblia descreve Deus como o rei sobre toda a criação (Salmos 103:19). Todas as coisas lhe pertencem e não existe autoridade terrena nem espiritual maior que Ele. Deus estabelece as leis de nosso mundo, é o juiz supremo e faz justiça. Várias vezes na Bíblia, Ele é descrito sentado em um trono celestial, acima de todos.

Toda autoridade vem de Deus. Ele estabeleceu governos e autoridades humanas para manter a ordem e a justiça no mundo (Romanos 13:1). Apesar de poder ter muito poder, nenhum rei é maior que Deus, porque sua autoridade é uma concessão de Deus, que Ele dá ou tira como quer (Daniel 2:20-21).

No início, Deus não deu um rei ao povo de Israel, porque Ele era seu rei. Quando era necessário, Deus levantava líderes, conhecidos como juízes, para guiar o povo, mas não se tornavam reis, porque esse título pertencia somente a Deus (Juízes 8:22-23). Assim, o povo de Israel seria um exemplo da soberania de Deus para as outras nações. Eles eram inteiramente dependentes da liderança de Deus.

Veja também: o que é o Reino de Deus?

O rei aprovado por Deus

Chegou uma hora em que os israelitas exigiram um rei, para serem como as outras nações. Mas Deus não lhes deu um rei igual às outras nações. Ele estabeleceu regras para os reis de Israel, para mostrar que Deus ainda era o rei supremo (Deuteronômio 17:14-17).

O aprovado por Deus deveria ser, antes de tudo, servo de Deus. Apesar de ser o líder supremo de seu povo, ele ainda tinha de se submeter à autoridade de Deus. Assim como os súbditos deviam lealdade ao rei, o rei devia lealdade a Deus.

O trabalho do rei não era apenas mandar em todos. Ele devia promover a justiça, a paz e a segurança entre seu povo. Como rei, ele devia dar o exemplo e incentivar a nação a andar corretamente, obedecendo a Deus e se afastando do pecado. Por isso, era muito importante que ele estudasse a palavra de Deus e procurasse a sabedoria de Deus para governar bem (Deuteronômio 17:18-20).

Nenhum rei foi perfeito mas o rei Davi foi aprovado por Deus tinha seu coração voltado para Ele. Davi procurava servir a Deus e não se afastou dele quando se tornou poderoso. Quando pecou, Davi se arrependeu e procurou se consertar com Deus. Ele foi um bom líder para seu povo e um bom servo de Deus.

Apesar de não termos mais reis como antigamente, que tinham muito poder, Davi é um exemplo para todo líder e governante. As autoridades políticas e espirituais devem se submeter à autoridade de Deus e procurar guiar seu povo de acordo com a justiça de Deus. Quando um líder se submete de verdade a Deus e recebe sabedoria dele, seu povo é abençoado com boa liderança (Provérbios 20:28).

Veja aqui: a história do rei Davi.

Jesus - o rei prometido por Deus

Muitos dos reis de Israel foram maus exemplos e contribuíram para a queda dos israelitas. Mas Deus prometeu que iria enviar outro rei, que estabeleceria o Reino de Deus (Isaías 9:6-7). Ele seria o rei perfeito, que iria liderar seu povo no caminho de Deus. Esse rei foi Jesus.

Jesus é um rei diferente de todos os outros reis do mundo. Seu reino não é terreno, é espiritual (João 18:36-37). Ele reina no coração de cada pessoa que o aceita como seu senhor e salvador. No fim dos tempos, ele virá para assumir seu reinado sobre toda a criação. E, ao contrário de outros reis, seu reinado não terá fim. Jesus é rei por toda a eternidade.

O pecado é rebelião contra o reinado de Deus em nossas vidas. Mas, quando nos arrependemos e aceitamos Jesus como nosso salvador, voltamos a ter Deus como nosso rei. O bom súdito procura agradar seu rei e obedecer às suas leis. Da mesma forma, cristão procura honrar a Deus em tudo que faz, se submetendo à Sua autoridade.

Leia aqui mais: por que Jesus era chamado filho de Davi?

O que significa rei dos reis?

Um dos títulos de Jesus na Bíblia é “rei dos reis” (Apocalipse 19:16). Isso significa que ele reina acima de toda autoridade no mundo. Até os reis mais poderosos estão debaixo de sua autoridade! Ele é o mais alto governante do mundo.

O título “rei de reis” era dado a reis que tinham outros reis como seus vassalos (Ezequiel 26:7). Por exemplo, os reis de povos mais pequenos podiam se submeter à autoridade de um rei mais poderoso, para receber sua proteção. Esses reis mais pequenos continuavam a ser a autoridade máxima de seus respetivos povos, mas eles estavam sujeitos à autoridade do rei mais poderoso, que tinha a última palavra sobre todos. O rei que dominava sobre os outros podia usar o título de imperador ou “rei de reis”.