Mateus 22:1-14 | Qual o significado da parábola das bodas?

A parábola das bodas ou do banquete de casamento fala acerca de um convite feito por um rei para a festa de casamento de seu filho. O significado está relacionado ao convite que Deus fez à nação eleita, sendo estendido à todas as nações do mundo, para comunhão eterna com Ele, através de Seu Filho Jesus.

De fato muitos servos tem sido enviados, convidando a todos para se voltarem para Deus e estarem em comunhão plena e contínua com Ele. O ato de aceitar o convite para a festa é reconhecer ao Senhor Jesus como o único Deus verdadeiro em fé e total submissão.

Contexto da Parábola das Bodas

Jesus contou a parábola das bodas depois de alguns chefes de sacerdotes e líderes religiosos terem questionado a Sua autoridade. Jesus tinha acabado de entrar em Jerusalém aclamado e louvado pelo povo, com "Hosanas" e bendições. Era o domingo anterior à sua morte. Montado sobre um jumentinho, Jesus estava revelando publicamente que era o Cristo, há muito tempo profetizado.

Aqueles líderes, cheios de inveja e rejeição, já tinham decidido matar Jesus e agora só precisavam pegá-lo em alguma cilada. Questioná-lo sobre autoridade era uma boa maneira de fazer com que pudesse blasfemar diante do povo. Mas Jesus já sabia das suas intenções e fez com que eles ficassem confusos e sem resposta perante Ele (Mateus 21:24-27).

Na sequência, Jesus começou a ensinar aos mestres e ao povo contando 3 parábolas: a Parábola dos Dois Filhos (Mateus 21:28-33), a Parábola dos Lavradores Maus (Mateus 21:33-45) e a Parábola das Bodas (Mateus 22:1-14). Através dessas histórias, Jesus chamou-lhes a atenção para o perigo daqueles que O rejeitam como Messias, não fazendo a vontade de Deus, pois perderão o lugar no Reino de Deus. Outros são convidados (Mateus 21:43) e entrarão, mas devem tomar cuidado para não caírem na mesma condenação.

Explicação da parábola

Jesus usou parábolas várias vezes para falar acerca do Reino de Deus. A parábola das bodas diz respeito a um convite para uma festa de casamento. A comparação da festa de um rei para homenagear ao filho, do convite e rejeição dos convidados, e dos novos convidados honrando o convite do rei são representações diretas do que Jesus estava ensinando aos Seus ouvintes.

Na história, a ilustração demonstra que se tratava de um convite importante. Para qualquer pessoa, ser convidado pelo rei para uma festa tão especial, dedicada ao príncipe, deveria ser uma grande honra! Além disso, era o casamento do futuro rei! Estar presente deveria ser um privilégio, motivo de alegria e grande expectativa para todos do reino, com a continuidade da realeza. Afinal era o filho do rei que estava para se casar. Os convidados que foram escolhidos, possivelmente, eram líderes, pessoas nobres, religiosos, cidadãos importantes, com negócios, mas, mesmo assim rejeitaram o convite.

Esta parábola faz uma comparação: o Reino de Deus é como rei, que celebra as bodas do seu filho (Lucas 13:18). Ela demonstra a rebeldia do povo de Israel, em relação ao Senhor. A referência dos emissários enviados para chamar os convidados à festa, apontam aos inúmeros profetas que o Senhor enviou aos filhos de Israel.

A razão para tal rejeição é que para alguns convidados, os bens materiais, os negócios eram mais importantes do que a festa do rei. Alguns deles desprezaram de tal forma, que não apenas recusaram como também machucaram e mataram os servos que emitiram o convite.

Todavia, o rei ficou com muita raiva e enviou os seus exércitos para destruir e incendiar a cidade daqueles assassinos. Depois mandou chamar todas as pessoas que fossem encontradas nas ruas e esquinas, para participarem da festa. Os servos reuniram muitas pessoas, gente boa e gente ruim e foram par ao palácio do rei.

Havia, entretanto, um convidado na festa que não estava com trajes próprios para uma festa de casamento e, depois de ter sido identificado e questionado como entrara ali, este não disse nada e foi jogado para fora.

Então, Jesus, encerrou a parábola afirmando que muitos são chamados, mas poucos escolhidos. O convite é geral e abrange a muitos, inclusive uma grande lista dos que rejeitaram. Mas somente são escolhidos aqueles que, aceitando o convite, o fazem de forma a agradar o rei, honrando o filho.

De fato, muitos foram convidados para o banquete do rei, mas deveriam estar presentes de forma adequada, honrando-o naquela ocasião especial. Estudiosos dizem que era costume naqueles dias, o anfitrião fornecer uma veste adequada ao convidado que não a tivesse. Ir de qualquer forma, sem reconhecer a excelência da ocasião era inaceitável. Por isso, aquele homem com aparência inapropriada não foi escolhido para estar ali, apesar de ter aceitado inicialmente o convite.

Os convidados

Os convidados iniciais da festa rejeitaram o convite do rei. Vale lembrar o contexto anterior; Jesus está, alertando aos sacerdotes judeus e líderes religiosos que o rejeitaram. Eles é que são, basicamente, as pessoas que recusaram o convite do rei. Eles estão associados à primeira lista de convidados que definitivamente rejeitaram o convite prévio feito pessoalmente pelos servos.

A segunda remessa de convidados não rejeitou ao convite. Eram pessoas das regiões próximas da cidade, pessoas comuns, que aceitaram o convite. Não eram pessoas famosas, com muitas posses.

Recusar o chamado de Deus significa desprezar ao Senhor. Os convidados iniciais rejeitaram, pois, o interesse particular deles vinha em primeiro lugar.

A roupa da festa

Na parábola, havia um homem, que foi retirado da festa, por não estar devidamente trajado para aquela ocasião. A questão da roupa, ou de como estar vestido, é algo peculiar na Bíblia. Mais do que uma cobertura para o corpo, muitas vezes a referência às vestes pode estar se referindo a questões espirituais ou morais.

Em Gênesis 3:5-7, Adão e Eva ficaram envergonhados quando descobriram estar nus, depois de terem comido o fruto proibido. Esta “nudez” pode ser vista algo simbólico, pois, ao serem persuadidos pela serpente, eles pecaram contra uma ordem direta de Deus. Desejaram ultrapassar os limites e serem como o Criador, conhecendo o bem e do mal.

Mas no fim, só se deram conta que perderam o estado original que tinham, imaculados diante de Deus e deles próprios. Seus olhos agora tornaram-se maus, por causa do pecado e eles perceberam que estavam “nus”. Só o Senhor pode “vestir” o traje ideal no ser humano novamente!

O homem retirado da festa pode ser interpretado nesta perspetiva: não se pode chegar a unidade com o Senhor, à total submissão sem que estejamos desprovidos do nosso título, o nosso orgulho. É só assim que chegamos à rendição do nosso “eu” para deixar o Senhor ser Deus na nossa vida!

Alguns estudiosos dizem que este homem poderia ter tido acesso a roupas apropriadas com o próprio rei. É o Senhor quem nos veste adequadamente para estarmos na Sua presença para agradá-Lo.

A Parábola descrita no evangelho de Mateus é igual à descrita em Lucas?

A partir de uma leitura rápida, pensamos que a parábola contada em Mateus 22:1-14 e a narrada em Lucas 14:16-24 sejam muito parecidas ou praticamente iguais. Entretanto, Mateus faz o registro da parábola de um rei que festejou as bodas do seu filho, enquanto Lucas registra uma grande ceia promovida por um homem. A ideia central dos dois relatos é a mesma, mas com algumas diferenças.

No relato de Mateus o local em que Jesus estava era o templo (Mateus 21:23) e no relato de Lucas, Jesus estava sentado numa mesa na casa de um fariseu (Lucas 14:1), contudo estas duas parábolas são destinadas ao mesmo povo: os judeus. Nestes dois relatos, Jesus chamou a atenção dos judeus religiosos, pois não estavam ouvindo, nem obedecendo ao Senhor.

Em Mateus, houve uma recusa da parte dos convidados e houve violência da parte de alguns. Fato que impulsionou o rei a, destruir os assassinos e suas cidades. Em Lucas não há menção de violência por parte dos que recusaram. Apenas são condenados a não provar do banquete daquele homem.

Por fim, ainda no relato de Mateus houve uma pessoa que não estava com as vestes corretas para a ocasião e, no relato de Lucas não houve ninguém assim.

O que podemos aprender com esta parábola?

O convite de Deus foi e é para todas as pessoas, “boas e más”, sem distinção.

A ideia de ir por toda parte, convidar a todos que encontrarem e ir em busca das pessoas, aponta para a missão de todo crente, os servos do Rei. Os discípulos de Jesus devem anunciar as “boas-novas” a todas as pessoas sem distinção (Mateus 22:9).

Recusar o convite feito por Deus não deve ser uma atitude nossa. Mas devemos aceitá-lo como um grande privilégio e honra, reconhecendo que precisamos agradar a Deus e ao Seu Filho, para estarmos com ele no Seu Reino eterno.

O homem com vestes inadequadas deve nos fazer entender que precisamos receber a provisão do Rei para estar em Sua presença. Precisamos receber novas vestes, ter a nossa vida em conformidade com a do Filho de Deus, para assim sermos aceites na Sua presença. Podemos até receber, aceitar o convite, porém não significa que esteja já incluído no Reino de Deus.

Precisamos nos despir dos nossos preconceitos, da nossa arrogância, ego e deixar o Senhor nos vestir conforme a Sua vontade. Muita gente pode falar em nome do Senhor, mas isso não quer dizer que as suas “vestes” estejam apropriadas (Mateus 7:22-23; Apocalipse 19:8).

Entrar e fazer parte do Reino de Deus não depende de algo que tenhamos que fazer. “Bons e maus” são iguais perante o Senhor e ao convite do Evangelho. Portanto, não há nada que possamos fazer que permitirá o acesso ao Reino de Deus. As vestes adequadas são dadas pelo Senhor, pois nós nunca poderíamos tê-las por nossa própria força ou mérito.

Leia mais aqui sobre:

O que é uma Parábola?

Por que Jesus falava por parábolas?